passaTEMPO

Photobucket

Passaram por aqui

terça-feira, 13 de julho de 2010

Fresta II

FRESTA

14 comentários:

Mirze Souza disse...

Quanta sensibilidade, Tonho!

Há sempre uma fresta e nela uma luz.
Que nos resta!

Fantástica imagem!

Beijos

Mirze

Adriana Godoy disse...

"Pela fresta dessa janela ouço o vento" Lõ Borges.

Lindo, Tonho...Beijo

Jéssyca Carvalho disse...

Genial!
Essa fresta, o que resta, o que temos e podemos...
Amei!

BeijO!

Lara Amaral disse...

Que bonito ficou isso, Tonho! Muito bom, amigo.

Beijo.

Luísa disse...

Adequadamente oportuno!
Há sempre uma fresta, que nos faz sentir o vento e nos mostra a luz!
Beijinho terno!

Ivan Bueno disse...

Tonho,
Fazia tempo que eu não vinha aqui, mas daí abriu-se a fresta e passei, embora meio apertadinho.
A frase-desenho dá pra ser usada em múltiplas situações/assuntos. Pensando no ano eleitoral, pelamordedeus, qual é a luz que nos resta? (rs...)
Grande abraço,

Ivan Bueno
blog: Empirismo Vernacular
www.eng-ivanbueno.blogspot.com

Sylvio de Alencar. disse...

Um deslumbre de idéia e realização.
Nunca pasou pela minha cabeça usar uma letra como uma porta, que é o que elas são.

Abrçs.

nas entrelínguas disse...

Cara, tu és um artista nato! Trabalha com isto né?! Tem que trabalhar!

Lou Vilela disse...

Deixei uma homenagem procê lá no blog. ;)

Abraços

Lua Nova disse...

Pela fresta da porta...
Ou do coração?
Pouco importa!
Uma fresta é chão
Que se faz caminho
Pra quem vai sozinho,
Fugindo vazio pelo vão...

Tua imagem faz pensar...
Adorei teu blog e te convido pra conhecer o meu.
Desde já seguindo para não perder mais nada de bom que tem por aqui.
Beijos.

tonhOliveira disse...



Querida LUA NOVA.

Não vislumbrei no céu da BLOGesfera,
tua "LUA"...

Não deixaste enderêço nem E-mail!

Beijos!

Marcantonio disse...

Genial!

aluisio martins disse...

é para craques...
parece Garrincha com palavras em mínimos espaços, dribla fácil...
golaço!

Simone Santana disse...

Sua capacidade de síntese e representação me deixou sem fôlego, Tonho. A mensagem é tão rápida como o fiapo de luz violando a escuridão. Sua fresta prende - num repente a gente se sente precisando desse resquício de luz.